Notícias

LUTO NO SBT: Morre o nosso querido APRESENTADOR, passou mal durante gravações e não res… Ver mais

No último sábado (20), a notícia do falecimento de Luiz Maranhão Filho, aos 90 anos, deixou Pernambuco de luto. Maranhão Filho foi uma figura icônica no jornalismo, radialismo e dramaturgia do estado, com uma carreira recheada de realizações e contribuições significativas para o campo da comunicação.

Nascido no Recife em 1º de janeiro de 1933, Luiz Maranhão Filho seguiu os passos de seu pai, também chamado Luiz Maranhão, na Rádio Clube de Pernambuco. Lá, começou como contrarregra e logo se destacou, interpretando vozes infantis em radiodramas. Em uma entrevista concedida em 2018, ele relembrou esses primeiros momentos:

“Comecei a ir para a Rádio Clube com mais ou menos 8 anos. Ia como meu pai [Luiz Maranhão]. Quando comecei a visitar a rádio, exercia a função do contrarregra. Eu fazia os ruídos nas novelas e ajudava a fazer sons de cavalo, de apito.”

Sua jornada na comunicação teve início em 1940 e nunca parou. Trabalhou como repórter no Diario de Pernambuco, onde escrevia crônicas e críticas sobre rádio e teatro.

Além disso, atuou como docente na Universidade Federal de Pernambuco e como pesquisador no Intercom, o maior Congresso de Comunicação do Brasil. Maranhão Filho também passou por diversas emissoras de rádio e televisão em estados como Bahia, Rio de Janeiro e Pernambuco.

O legado de Luiz Maranhão Filho permanece vivo, influenciando gerações de comunicadores que ele treinou e inspirou ao longo de sua carreira.

O Núcleo de TV e Rádios Universitárias da UFPE expressou suas condolências, afirmando que “seu legado fica gravado na história da radiodifusão pernambucana e do NTVRU, produzindo, escrevendo, narrando, conduzindo equipes e, fundamentalmente, contribuindo, como professor e profissional da mídia, na formação de centenas de profissionais que hoje atuam na comunicação.”

O velório de Luiz Maranhão Filho ocorrerá neste domingo (21) no Cemitério Morada da Paz, em Paulista, na Região Metropolitana do Recife, com o sepultamento previsto para as 16h.

A partida de Maranhão Filho deixa uma lacuna na comunicação pernambucana, mas sua influência perdurará por muitos anos.

Botão Voltar ao topo